Cirurgia reparadora transforma vida de jovem
que não conseguia fechar a boca

Uma vida inteira sem conseguir mastigar, falar direito e fechar a boca. Foi como viveu Clayton por mais de 20 anos,
até a tão sonhada cirurgia reparadora que aconteceu no último dia 10 de outubro, comandada pela equipe do Dr.
Marcelo Quintela e do Dr. Alessandro, no hospital Alvorada, em São Paulo.
O jovem de Cubatão nasceu com uma deciência muscular e esquelética, que o impossibilitava de ter uma vida
comum. Boa parte da sua comunicação era feita com o uso do celular. Clayton conta que sofria muito preconceito
por conta da sua aparência.

“Eu antes era muito humilhado desprezado pelas pessoas, desde criança na época da escola, as pessoas me
chamavam de aberração, monstro e várias palavras fortes; quando eu me sentava no banco do transporte público,
percebia que as pessoas não sentavam do meu lado, me sentia muito mal, era horrível. Mas enm, z essa cirurgia
que vai mudar totalmente minha vida. Assim que eu acordei e vi meu rosto, olhei bem a minha nova imagem
reetida e pensei: está aí um novo homem, vou fazer tudo o que eu não pude sentir em toda a minha vida. Eu
estou bem melhor agora depois da cirurgia, me recuperando muito rápido, o Dr Alessandro e o Dr. Marcelo
Quintela mudaram a minha vida, devo meu renascimento a eles”.

Dr. Marcelo Quintela explicou que o rapaz ainda terá um longo caminho pela frente. “A cirurgia durou um pouco
mais de 6 horas e foi coordenada pelo Dr. Alessandro, junto com os cirurgiões auxiliares de sua equipe, Dr. Samuel
de Souza Moraes, Dr. Leonardo Domingues e Dr. Renan Suzuki Ito. O paciente recebeu prótese de mandíbula do
lado esquerdo e do lado direito, foi realizada osteotomia sagital. Desse modo, se avançou a mandíbula
rotacionando-a para cima, para fechá-la. Na sequência, uma osteotomia Le Fort I foi feita na maxila, com impacção
e segmentação, normalizando o excesso ósseo-gengival do sorriso. Recebeu, por m, mentoplastia. A face cou
com os terços proporcionais, com oclusão estável e funcional. Um dos principais problemas transcirúrgicos esteve
relacionado com a posição anômala da cabeça da mandíbula que diferente de estar na fossa articular, estava na
fossa infratemporal, e foi necessário encontrá-la e reposicioná-la adequadamente”.

Agora, será iniciada pela equipe a segunda fase que é o tratamento de fonoaudiologia. “Ele não sabia falar e agora
terá de aprender com a nova posição, o tratamento será semanal e intensivo e estamos arrecadando dinheiro para
custeá-lo. Deixo uma mensagem da #correnteprossionaldobem com toda gratidão a todos que contribuíram,
doando ao paciente recursos ou talento prossional. Não falei que a gente ia conseguir? Obrigado por terem
acreditado”, disse Dr. Marcelo.

Quem quiser fazer parte desse corrente do bem e ajudar Clayton na recuperação, pode entrar em contato
13988203247 . Quando as forças humanas se unem para o bem, não há barreiras que não possam ser vencidas.
Clayton renasceu e está pronto para segunda fase de sua batalha.

Agradecimentos especiais:
Unimes (Universidade Metropolitana de Santos)
Moderna Orto Educação Continuada
Maxilart
Clínicas Radiológicas Lúmax, Prime e Uniero
Viver e Empreender
Capitães Gastronomia

Fonte: Viver em Santos e Região

Compartilhe essa publicação!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Talvez essas publicações também te interessem!

AGENDE AGORA MESMO UMA AVALIAÇÃO CONOSCO